IOP – Instituto de Oncologia do Paraná

Notícias
Voltar

Dezembro laranja: sinal de alerta para o câncer de pele

Dezembro laranja: sinal de alerta para o câncer de pele

O verão começa oficialmente no dia 22 de dezembro, mas desde já a espera pela estação favorita dos brasileiros é celebrada. Mas também é um período para que se ligue o sinal de alerta, afinal, é temporada de sol, mar, praia, piscina e cuidados com a pele. Vale lembrar que esses cuidados devem ser o ano inteiro, com sol ou sem sol, em todas as estações, pois é importante tomar medidas protetoras contra o câncer de pele. Neste ano, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) usa para campanha de prevenção contra o câncer de pele o tema “Se exponha, mas não se queime” e a cor laranja é referência.

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) apontam que anualmente são diagnosticados 180 mil casos novos da doença. Isso significa que 1 em cada 4 casos novos de câncer no Brasil é de pele. O câncer de pele é diretamente ligado à exposição crônica ao sol especialmente em pessoas com mais de 50 anos, de pele e olhos claros.

Os três principais tipos de câncer de pele são o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. Estatísticas mostram que quase 90% dos casos existentes são de carcinomas. Esses tumores têm mortalidade baixa comparada com sua incidência, mas provocam, no Brasil, cerca de 1900 óbitos a cada ano. Já o melanoma é o tipo menos comum (representa apenas 3% dos tumores na pele), porém é um tumor mais agressivo, com mortalidade em torno de 50% dos casos, sendo responsável por cerca de 1700 óbitos por ano. Ele pode aparecer em qualquer parte do corpo, na pele ou mucosas, na forma de manchas, pintas ou sinais.

Prevenção e conscientização
Neste ano, além de conscientizar a população sobre a prevenção desde a infância, a campanha terá como foco alertar também sobre os sinais do câncer de pele para diagnóstico e tratamento precoces.

Mas como se prevenir? Umas das formas mais fáceis de se iniciar a prevenção ao câncer de pele é evitar a exposição solar principalmente no período das 10h às 16h horas e fazer uso de filtros solares para proteção contra as radiações solares UV, A e B, principais causadoras de câncer de pele. Usar roupas com mangas longas, fazer uso de chapéus ou bonés e também óculos de sol é uma boa medida preventiva.

“Nem toda pinta pode ser considerada um câncer e por isso é comum não se dar à devida atenção quando uma manchinha nova aparece no corpo. É preciso, no autoexame, ficar atento ABCDE do câncer de pele. Na criança, a maioria dos casos de melanoma ocorre em uma pinta pré-existente, muitas vezes desde o nascimento. Já em adultos a maioria inicia-se como uma pinta nova que já nasce como tumor maligno”, cita o cirurgião oncológico Luciano José Biasi, do Instituto de Oncologia do Paraná (IOP) e membro do Grupo Brasileiro de Melanoma.

Pessoas de pele clara devem tomar maiores cuidados com a proteção da pele, pois têm um risco maior de desenvolver a doença. “Isso não significa que a doença não possa se manifestar em pessoas negras, onde o tipo mais comum é o localizado na pele das extremidades (mãos, pés, ao redor e abaixo das unhas)”, cita o médico, que explica que o melanoma tem origem nos melanócitos, células que produzem melanina, o pigmento que dá cor à nossa pele. Esse tipo de câncer surge nas áreas do corpo mais expostas à radiação solar. “O melanoma se desenvolve na fase inicial na camada mais superficial da pele, o que facilita a remoção cirúrgica e a cura do tumor. Nos estágios mais avançados, a lesão se torna mais profunda e isso causa uma diminuição nas probabilidades de cura. Como em todo tipo de câncer, o diagnóstico precoce do melanoma é fundamental”, destaca Dr. Luciano Biasi.

Testes genéticos
Hoje é possível identificar mutações genéticas presentes no melanoma como BRAF e CKIT, podendo serem usadas como alvo para o tratamento personalizado do melanoma. O fator hereditariedade tem um papel importante no desenvolvimento do melanoma. Familiares de pacientes diagnosticados com a doença devem fazer exames preventivos regulares. O risco é aumentado quando há casos registrados em familiares de primeiro grau.

ABCDE DO CÂNCER DE PELE

Assimetria: verifique se os lados opostos de uma pinta são iguais;

Bordas: veja se a borda está irregular, serrilhada, não uniforme;

Cor: verifique se a pinta ou mancha apresenta várias tonalidades: negro, vermelho, marrom, cinza, azul aumentam muito o risco de melanoma;

Diâmetro: preste atenção no tamanho da pinta ou mancha, geralmente o melanoma está em lesões maiores de 6 mm;

Evolução: caso uma pinta ou mancha cresça de forma rápida, mude de cor ou formato, procure um médico especialista na área.