IOP – Instituto de Oncologia do Paraná

Notícias
Voltar

MITOS E VERDADES SOBRE O CÂNCER DE MAMA

MITOS E VERDADES SOBRE O CÂNCER DE MAMA

O que toda mulher quer saber e tinha vergonha de perguntar

 Muitas crendices e lendas pairam no imaginário feminino quando se refere a câncer de mama. “A vizinha me contou que uma batida no peito pode dar câncer ou minha tia me disse que amamentar ajuda a proteger contra o câncer de mama”… e por aí afora vão informações ou contrainformações sobre o assunto.

Para sanar as principais dúvidas, o oncologista clínico Henrique Lopes, do Instituto de Oncologia do Paraná (IOP), respondeu e ajudou a formalizar o que são “Mitos e Verdades sobre o Câncer de Mama”.

 1 – Desodorante de qualquer tipo pode causar câncer de mama?

Mito. Não há dados e nem evidências na literatura científica que comprovem essa afirmação. Realmente, nenhum estudo sugere essa associação, apenas especulações sem base científica.

2 – Levei uma batida no seio, ficou dolorido e tudo mais. Isso pode se transformar em câncer de mama?

Mito. Essa é uma pergunta que toda mulher tem, até porque a batida ou mesmo uma bolada durante um jogo, por exemplo, causa temor, pelo fato de a região ficar muito dolorida. A boa notícia é que a batida no seio não é capaz de desencadear o tumor.

Um tumor é provocado por mutações genéticas nas células da mama e uma pancada ou batida não provoca essas mutações a ponto de causar câncer, especialmente imediatamente após.

3 – O uso de próteses de silicone pode vir a se transformar, futuramente, num câncer?

Mito/Verdade. A prótese de silicone em si não causa câncer de mama, mas pode prejudicar na visibilidade de um exame de imagem, por exemplo.

Há, porém, um tipo de prótese mamária que teve sua produção suspensa por causar uma doença muito rara, mas com grandes chances de cura, que é o linfoma de grandes células. Mas não há motivo para alarde. Quem tem prótese mamária deve continuar com as consultas ao médico e seguir as recomendações de se fazer ecografia e mamografia uma vez por ano, ressonância magnética a cada dois ou três anos para detectar problemas que possam estar associados às próteses de um modo em geral.


4 – Sutiã com aro ou hastes de metal é prejudicial? Corre-se o risco de desenvolver câncer de mama?

Mito. Não existe qualquer relação com a doença. O aro ou haste não é feito de material com potencial cancerígeno.

5 – O câncer de mama só acontece para quem já tem histórico familiar?

Mito. Estatisticamente, hoje sabemos que a maioria das mulheres que têm ou tiveram câncer de mama não têm familiares com a doença. O que se precisa levar em conta é a história familiar, que pode influenciar quando o parentesco é de primeiro grau, ou seja, se a mãe, a irmã ou a filha foram diagnosticadas e também a idade em que a doença surgiu.

Apenas cerca de 10 a 15% dos casos de mama são em pessoas com predisposição genética, os demais são esporádicos, por mutações que acontecem espontaneamente ao longo da vida da mulher, não por mutações herdadas da parte familiar.

6 – Câncer de mama é tudo igual ou tem diferença?

Mito. Hoje, com a evolução da genômica, sabemos que existem vários tipos de câncer de mama, que são classificados em subtipos de acordo com estruturas da superfície celular. Isso ajuda na forma de tratamento, com drogas-alvo e de forma personalizada.

Cada tipo de câncer de mama é definido pela biópsia e de outros exames complementares que podem ser feitos nesse material da biópsia.

7 – Stress e outras emoções negativas podem causar câncer de mama?

Mito. Por mais que o stress esteja em um nível muito alto, a mulher esteja magoada ou com depressão, dentre outras emoções, não há estudos que comprovem que a doença surja a partir de sentimentos negativos.

Esses sentimentos são importantes nas pessoas acometidas pelo câncer, mas há estratégias de enfrentamento e apoio à pessoa com câncer.

8 – Amamentar protege contra o câncer de mama?

Verdade. A amamentação protege as mães, pois as taxas de determinados hormônios que favorecem o desenvolvimento desse tipo de câncer caem durante o período de aleitamento.

Por diminuir a exposição da mulher ao estrogênio, quanto mais tempo ela amamentar, menores as chances de desenvolver câncer de mama.

9 – O autoexame substitui a mamografia?

Mito. As campanhas de prevenção do câncer de mama alertam para o autoexame. A mulher, ao fazer o autoexame mensalmente com a palpação, pode descobrir um tumor já com um tamanho grande. É a mamografia que mostra lesões iniciais, bem pequenas, auxilia no diagnóstico precoce, que aumenta as chances em até 98% de cura. Mamografia é fundamental e deve ser realizada a pedido do médico especialista na idade preconizada pelo Ministério da Saúde (1 vez por ano a partir dos 40 anos) ou sempre que houver uma suspeita ou casos de câncer de mama na família (mãe, tia, irmã).

A mamografia serve para descobrir as lesões antes que o nódulo seja palpável no autoexame, que é quando ele é menor e tem mais chances de cura. O autoexame ajuda a mulher a se conhecer melhor, mas não substitui a mamografia e não faz diagnóstico precoce.

10 – Homem pode ter câncer de mama?

Verdade. O câncer de mama também pode afetar os homens, pois eles também têm células semelhantes onde a doença é desenvolvida. Os sintomas em alguns casos podem ser semelhantes ao câncer de mama feminino. Os homens devem ficar atentos à retração dos mamilos, caroços no peito e nas axilas.

Menos de 1% dos casos de câncer de mama acontecem em homens, mas o tratamento é semelhante ao aplicado no câncer de mama feminino.